A história do sorvete, como surgiu o sorvete expresso

Back to Blog

A história do sorvete, como surgiu o sorvete expresso

A história do sorvete, como surgiu o sorvete expresso

Os primeiros relatos envolvendo sorvetes apareceram muito antes de Cristo, quando os chineses misturavam polpas de frutas à neve e serviam a seus imperadores e aos nobres.

Nero, imperador de Roma gostava muito de  uma mistura de vinho, sucos de frutas e mel que era congelada com a neve trazida dos Alpes. No século treze, Marco Polo retornava à Itália de sua viagem ao oriente, de onde trouxera recipientes que diziam ter sido utilizados na Ásia por mais de mil anos para congelar água.

Os italianos foram os primeiros europeus a desenvolverem receitas de sorvetes e aparentemente a partir de 1500 o sorvete começou a ser difundido por toda a Europa.

A indústria de sorvetes cresceu muito desde então e hoje podemos definir o sorvete como um produto congelado composto por uma mistura de leite, açúcares, estabilizantes, emulsificantes e flavor (cor e sabor). Ingredientes como ovos, amido e outros também podem ser adicionados à calda. Como são tantos os tipos de sorvetes, podemos classificá-los conforme a sua composição.

Tipos de sorvete

Os mais famosos são os sorvetes de creme, os quais devem obrigatoriamente conter produtos lácteos. Os que contém uma quantidade maior de açúcar e gordura, são denominados, premium. São sorvetes pesados porém macios. Já os gelados comestíveis são sorvetes leves feitos a base de frutas, açúcar e água e sofrem inúmeras variações. Na Itália são muito apreciados e recebem o nome de sorvete italiano e foi lá também que se iniciou a fabricação da Máquina de Sorvete Expresso.

Na França os sorvetes são consumidos  durante as refeições para suavizar o sabor entre um prato e outro.

A granita, na Itália, é uma variedade do sorvete e se diferencia pela presença de cristaizinhos de gelo perceptíveis ao paladar proporcionando uma sensação mais refrescante na boca. No Brasil é conhecido como raspadinha.

Os sorvetes também podem ser classificados de acordo com o seu processo de fabricação ou apresentação. Durante o congelamento a calda sofre agitação provocando incorporação de ar. A aeração também é conhecida como overun, e através dela sabemos o rendimento da produção. Quanto maior o overun, mais leve e suave o sorvete se torna. É o exemplo do sorvete de massa industrial, cujo processo de fabricação consiste em agitação vigorosa da massa, incorporando desta maneira, mais ar, proporcionando um sorvete mais leve.

Porém o mercado mais estimulador nos últimos tempos é o do sorvete soft. Este tipo de sorvete está muito presente nos serviços expressos como os de fast food e drive-through, sendo estes os principais responsáveis pela sua divulgação e como ele apareceu primeiramente na Italia, muitas pessoas chamam a ‘casquinha’ de italianinha.

Podemos tomar como exemplo algumas  redes  de lanchonetes Fast food que nos anos setenta lançaram o McSundae, que era o sorvete soft servido com diferentes caldas e coberturas. Desde então notamos o incrível crescimento da demanda dessa linha de sorvetes em estabelecimentos similares.

O sorvete soft como também é conhecido, se distingue de todos os outros por serem consumidos no momento do preparo. Como a temperatura dele é mais amena, a sua consistência é mais macia, proporcionando uma sensação gostosa de derretimento quase que instantâneo no contato com a boca.

 

*Texto baseado em informações obtidas junto à AGAGEL 

Share this post

Back to Blog